Como funciona o diagnóstico de alergia por exclusão?

A alergia alimentar é uma condição resultante de reações imunológicas que ocorrem após a ingestão ou o contato com determinados alimentos, em pessoas previamente sensibilizadas a eles. O diagnóstico de alergia, nesses casos, nem sempre é simples, e precisa envolver a análise bem detalhada da história clínica do paciente e as vezes de testes alérgicos na pele ou no sangue, e em poucos casos do teste de provocação oral.

Leite de vaca, ovo, trigo, soja e frutos do mar correspondem à maior parte das incidências – no entanto, qualquer alimento pode causar alergia. Isso quer dizer que há pessoas que sofrem com os sintomas dessa alergia, mas não sabem o porquê ou não conseguem detectar com exatidão qual é o alimento que está causando o mal-estar. Nessas situações, buscar o auxílio de um alergologista para diagnóstico preciso é essencial.

Neste artigo, saiba mais sobre como funciona um dos recursos utilizados nesses casos: o diagnóstico de alergia por exclusão. Acompanhe.

A alergia alimentar

estimativa de que a alergia alimentar afete entre 6 e 8% das crianças com menos de três anos de idade, e entre 2 e 3% da população adulta no país. Os percentuais de portadores dessa condição vêm crescendo nos últimos anos, provavelmente impulsionados pelo maior contato das pessoas com uma variedade mais abrangente de alimentos e outras modificações em nossas vidas e em nossos hábitos alimentares.

Dados indicam que um indivíduo ingere ao longo de sua vida algo entre duas e três toneladas de alimentos diferentes. A partir dessa quantidade tão expressiva e sob certas circunstâncias, não é de se estranhar que em alguns momentos certos alimentos possam causar reações adversas no organismo.

Esse tipo de alergia é caracterizado por uma reação adversa a determinado alimento, que atua como alérgeno no organismo do indivíduo. Ao contrário do que alguns pensam, ela pode se manifestar não somente após a ingestão do alimento, mas também por meio da inalação ou contato através da pele com o alérgeno, por exemplo.

Os sintomas mais comuns dessa condição são as manifestações cutâneas (como urticária, rubor, inchaço e coceira) e as gastrointestinais (como diarreia, refluxo, dor abdominal e vômitos), porém, reações mais graves e perigosas também podem ocorrer – como o choque anafilático.

Seus sintomas podem se manifestar minutos ou mesmo horas após a ingestão do alimento, o que pode dificultar a identificação de qual é o alérgeno que está desencadeando o quadro em questão.

Diagnóstico de alergia alimentar

O diagnóstico preciso de alergia alimentar é essencial para a determinação do tratamento adequado e para que não se adote dietas restritivas desnecessárias.

O diagnóstico de alergia alimentar pode ser realizado a partir de uma série de ações em passo a passo, um verdadeiro trabalho de investigação. O médico deve analisar o histórico do paciente, verificando casos de alergia em seus parentes próximos e seus relatos de sintomas e suspeitas de alimentos alérgenos, realizar testes cutâneos de contato com alimentos e de dosagem de IgE (anticorpos imunoglobulina E) no sangue, específicos para os alimentos suspeitos, por exemplo.

No entanto, perante alguns quadros desses, também é comum que se faça um diagnóstico de alergia por exclusão.

Como é a dieta de exclusão para diagnóstico de alergia alimentar?

A dieta de exclusão comumente é feita a partir da suspensão do alimento suspeito, em determinados casos grupos de alimentos são suspensos, conforme o histórico do paciente e seus dados de exames e testes.

A expectativa é de que, entre duas, quatro ou seis semanas após a exclusão, os sintomas não se manifestem mais. Nesse caso, poderá ser feito um teste de provocação oral, a depender do caso, para confirmação do diagnóstico após esse tempo de exclusão, de modo que os sinais e sintomas retornem ao paciente quando o alimento é reintroduzido. No entanto, caso os sintomas permaneçam durante a exclusão, o processo deverá ser reiniciado para que se detecte qual é o alérgeno que, de fato, é o responsável pelo quadro.

Naturalmente, após a confirmação do diagnóstico de alergia alimentar, a exclusão do alimento por um determinado tempo, a fim de evitar crises e outros transtornos, é o melhor caminho. Entretanto, sobretudo em crianças, a alergia pode desaparecer com o tempo. Por isso, o acompanhamento de um alergologista, para avaliar a reintrodução do alimento de forma segura na dieta, é fundamental.

E então, ficou mais claro saber como é a alergia alimentar e como funciona o diagnóstico de alergia por exclusão? Deixe sua mensagem nos comentários ou entre em contato conosco e até a próxima.

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *