Por que o clima influencia nas alergias respiratórias?

De maneira geral, a alergia pode ser considerada como uma reação exagerada do sistema imunológico em relação a certas substâncias do meio ambiente, que são chamadas de alérgenos. Em alguns casos, as alergias ocorrem no sistema respiratório, sendo classificadas como alergias respiratórias.

Essas reações são provocadas por substâncias habitualmente inofensivas para a maioria das pessoas. É comum que a alergia respiratória, por exemplo, provoque uma rinite alérgica ou até mesmo a asma, são as doenças que representam as alergias respiratórias.

Os principais sintomas são: obstrução nasal, rinorreia (secreção transparente), coceira no nariz e espirros constantes, no caso da rinite.

Ao sentir um desses sintomas, é possível que você esteja sofrendo de uma crise alérgica, e eles acabam sofrendo uma influência das condições climáticas. Compreenda melhor essa questão a seguir.

O que são as alergias respiratórias e qual a sua relação com as condições do tempo?

A alergia respiratória é vista como uma doença hereditária (transmitida dos pais para os filhos), relacionada ao sistema imunológico do corpo humano. Quando um dos um dos pais é alérgico, a chance de o filho ser é de até 50%. Se os dois pais são, as chances passam para até 70-80%.

No entanto, as condições climáticas também são vistas como possíveis fatores de piora das alergias respiratórias. No caso do Brasil, um país tropical, as pessoas alérgicas sofrem influências de fatores ambientais inerentes a cada região. Nas grandes cidades do sudeste, por exemplo, as influências ocorrem devido à poluição ambiental causada pela fumaça do trânsito, das indústrias e chaminés.

Dessa forma, pode-se afirmar que diversos fatores ambientais influenciam o curso dessas doenças respiratórias, em indivíduos geneticamente suscetíveis. Ou seja, a propensão genética, juntamente com as condições do tempo podem contribuir para que se tenha uma doença alérgica.

O que pode causar as alergias respiratórias?

Considera-se que os ácaros são os principais responsáveis pelos sintomas de alergia respiratória. Eles são seres invisíveis a olho nu, e suas fezes representam o maior grau de alergenicidade do ácaro, pois eles se alimentam de pele descamada, de fungos e de outras substâncias ricas em proteína.

Geralmente, os ácaros se desenvolvem em locais com muito , com temperatura entre 18 a 26º C, pouca luminosidade e umidade maior que 50%. São encontrados em colchões, travesseiros, tapetes, carpetes, brinquedos de pelúcia, entre outros.

Os fungos também podem causar alergias respiratórias, e eles são encontrados em suspensão no ar e em ambientes fechados, como sótãos, porões, armários e malas, podendo aparecer, também, em banheiros, cozinhas, nos rejuntes de azulejos, em umidificadores e em locais quentes e mal ventilados.

Outro fator que pode contribuir significativamente para o surgimento das alergias respiratórias são os pólens, ou seja, os grãos microscópicos destinados à fecundação das plantas. Determinadas espécies são levadas pelo ar, em uma época distinta, chamada de período de polinização.

Assim, os grãos de pólens das plantas produzem alergia respiratória por inalação. A doença polínica é mais frequente nas regiões da Europa, Argentina e Estados Unidos. No Brasil, pode ser encontrada nos estados da região sul.

A rinite, a asma e a gripe

As alergias respiratórias, em alguns casos, podem ser confundidas com os sintomas da gripe. Por isso, é fundamental conhecer as diferenças entre esses quadros.

Tanto na gripe quanto no caso de uma rinite alérgica, a pessoa espirra muito e fica com o nariz entupido e escorrendo. Ao contrário da rinite, a gripe provoca tosse e febre, porém, a alergia causa coceira nos olhos e no céu da boca. A gripe é uma doença infecciosa viral.

É preciso considerar que existe ainda a asma de origem alérgica, que é uma inflamação crônica das vias aéreas. Os músculos dessas áreas se alteram diante de estímulos, como pó e cheiro de produtos químicos. Ela pode levar à tosse, chiado no peito e dificuldades para respirar.

Como vimos, as alergias respiratórias têm um fator hereditário ou ambiental para que possam se desenvolver. Por isso, é fundamental, também, ficar atento aos ambientes que você vive e frequenta, para diminuir as chances de desencadear uma alergia respiratória, principalmente se você tiver propensão genética para ela.

E então, você ficou com alguma dúvida sobre as alergias respiratórios? Deixe sua mensagem nos comentários ou entre em contato com nossa equipe. Até a próxima.

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *