Quanto tempo pode durar uma crise alérgica?

A crise alérgica pode ser uma grande ameaça à saúde, podendo comprometer a qualidade de vida e as rotinas do dia a dia. Quando afeta o indivíduo, tende a desencadear fortes reações, que precisam ser administradas de modo eficiente – evitando danos mais graves ou até mesmo fatais.

Existem diferentes tipos de crise alérgica, e cada uma tende a apresentar uma durabilidade diferente, de acordo com a doença do paciente, o órgão e sistema afetado do corpo e a vulnerabilidade do organismo.

Neste artigo, saiba mais sobre a crise alérgica e descubra quanto tempo, afinal, ela pode durar. Acompanhe.

O que é uma crise alérgica?

A crise alérgica nada mais é do que uma resposta adversa do organismo pelo contato com determinada substância. Chamada de alérgeno, esse tipo de substância é má interpretada pelo organismo, promovendo reações do sistema imunológico.

A crise alérgica pode ser instantânea ou demorar um tempo para se manifestar, mas tende a deixar o corpo em estado bastante debilitado – demandando uma administração ágil e adequada da situação. Ela representa a descompensação da doença alérgica, o momento em que a doença perda seu controle.

Quais são os tipos de crise alérgica?

As crises alérgicas podem derivar de diferentes circunstâncias, a depender da doença e do órgão ou sistema acometido, tendo caráter mais comumente respiratório, alimentar, nos olhos, medicamentoso ou cutâneo (na pele).

A alergia respiratória por exemplo é causada por agentes externos e desencadeia reações juntos a olhos, nariz, boca e pulmões. Geralmente, a doença é crônica, e a crise representa uma debilidade momentânea do organismo que precisa de controle.

Já a alergia alimentar se manifesta a partir da ingestão ou contato com determinado prato ou ingrediente – estando entre os mais comuns o leite, os frutos do mar, os peixes, as sementes e o ovo.

Na alergia medicamentosa, a crise vem por meio do contato intravenoso, por ingestão ou outra forma de administração da medicação, como até em forma de colírio ou pomada. O princípio ativo da medicação (o fármaco) ou qualquer aditivo pode funcionar como o alérgeno que desencadeia a reação. E os fármacos mais implicados são antibióticos, anti-inflamatórios e anticonvulsivantes.

A alergia cutânea – sendo uma das formas mais comuns a alergia de contato – se manifesta em determinadas regiões da pele, que sofreram exposição direta a algum agente alérgeno. Esses podem ter origem natural (plantas, por exemplo) ou química (tecidos, produtos de higiene e beleza, etc.).

Quanto tempo pode durar uma crise alérgica?

O tempo da crise alérgica pode apresentar variações de acordo com fatores como, a doença e sua gravidade, seu controle prévio, nível de sensibilidade do organismo e forma de administração da situação. Cada pessoa responde de forma diferente aos alérgenos e, por isso, é preciso sempre analisar caso a caso para orientações mais precisas. Mas, de um modo geral:

A alergia respiratória é uma ocorrência crônica, ou seja, é inerente ao organismo. Sua manifestação é desencadeada de forma irregular, quando o organismo entra em contato com algum agente externo que funciona como alérgeno ou irritante. O início de reação é, geralmente, progressivo e pode durar em média até sete a dez dias, em caso de crise de asma quando adequadamente tratada.

Já a alergia alimentar costuma ser uma das mais agressivas e tende a apresentar reações instantâneas nas formas imediatas. Pode se manifestar até uma ou duas horas depois da ingestão do alimento, mas em alguns casos em questão de minutos, e ter evolução bastante acelerada – em pouco tempo os sintomas podem evoluir para a insuficiência respiratória e reações alérgicas mais graves.

A alergia medicamentosa também pode se manifestar de forma imediata (entre 30 minutos e 1 hora após a administração do medicamento), acelerada (de 2 a 24 horas após) ou tardia (depois de 24 horas até dias ou semanas). Isso depende das características do fármaco, da sensibilidade do organismo e outros fatores, como doenças associadas e seu controle.

Por sua vez, a alergia cutânea do tipo dermatite de contato é, geralmente, a que costuma se estender por mais tempo, podendo permanecer na pele por dias, semanas e até meses. Naturalmente, os sintomas estão diretamente relacionados com a forma de tratamento, natureza do desencadeante, tempo de exposição e sensibilidade do organismo.

Como vimos, a crise alérgica, independentemente do seu caráter, pode ser bastante grave – por isso, não deve ser negligenciada. Na aparição de qualquer sintoma, é preciso buscar auxílio médico com a máxima urgência. Lembre-se de que, qualquer que seja o caso, o tratamento realizado exerce influência direta sobre o tempo de duração e a intensidade da crise alérgica.

E então, ficou mais claro para você como se dão as crises alérgicas? Ficou com alguma dúvida sobre o tema? Deixe sua mensagem nos comentários.

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *