Entenda o que realmente é a chamada alergia ao suor.

O que a população descreve como alergia ao suor representa uma preocupação diária aos seus portadores. Trata-se de uma variedade não tão comum, mas que pode provocar reações bastante incômodas. Também chamada de alergia ao calor, ela precisa ser identificada de forma rápida, para que as ações de prevenção e tratamento possam ser colocadas em prática sem prejudicar o bem-estar das pessoas.

Mas, então, como saber se você tem alergia ao suor? Acompanhe, a seguir, alguns dos sintomas mais comuns que podem estar relacionados a essa condição e tire suas dúvidas sobre o assunto.

O que é a alergia ao suor?

Na realidade, a chamada alergia ao suor faz parte de um tipo de urticária crônica, a chamada urticária colinérgica, que ocorre nas pessoas devido a um aumento da temperatura corporal em situações como exercício físico, ingestão de bebidas e alimentos quentes ou apimentados, banho quente e tensão emocional.

Essa urticária colinérgica então é um tipo de urticária induzida onde os pacientes apresentam urticas (manchas e inchaços avermelhados) na pele poucos minutos apos o estímulo que leva a elevação da temperatura do corpo. Depois as urticas desaparecem sem deixar cicatrizes.

Então um número específico de pacientes com urticária colinérgica desenvolvem alergia ao próprio suor como causa de todo esse quadro clínico.

O que causa essa chamada urticária colinérgica?

Ela pode surgir pela prática intensa de exercícios físicos, pela exposição excessiva ao sol, por distúrbios emocionais, pelo uso de roupas impróprias, entre outras razões que geram aumento da temperatura corporal. Cada caso é um caso, e precisa ser observado e detectado com atenção por um especialista.

Quais são os principais sintomas da urticária colinérgica?

Ela afeta a pele. Como principais sintomas se destacam a vermelhidão, a ocorrência de manchas, lesões elevadas, vermelhas e pequenas, com coceira e até ardência.

As regiões mais afetadas são aquelas nas quais há maior nível de transpiração no corpo – como pescoço, axilas, parte superior do tronco, antebraços e coxas. Esses sintomas aparecem logo que ocorre o aumento da temperatura corporal e a produção de suor e tendem a se estender por um tempo, de acordo com as condições do organismo em questão e nível de exposição.

Como fazer o diagnóstico preciso da urticária colinérgica?

O diagnóstico preciso dessa – e de outras alergias – pode ser dado em uma consulta com um alergologista. Esse médico, especialista na identificação e no tratamento de alergias, realiza um teste especifico para a detecção.

Esse, geralmente, consiste em um exercício de provocação, no qual o paciente, sob acompanhamento, é exposto a uma situação de sudorese. Podem ser usadas diferentes técnicas para comprovar o quadro com eficiência. Além disso, é feita uma avaliação da anamnese – ou seja, da história clínica do paciente.

Alguns testes com o suor do próprio paciente são descritos na literatura.

Como evitar a urticária colinérgica?

O melhor tratamento será sempre a prevenção, o que torna a situação um pouco mais delicada. Diferentemente de outras alergias, essa compete a uma ação do próprio corpo – que precisa ser controlada com cuidado.

O ideal é evitar ao máximo qualquer atividade que cause sudorese, locais com calor excessivo, roupas muito apertadas ou com tecido inapropriado. Além disso, manter a pele sempre limpa e hidratada facilita para deixar o corpo mais resistente ao aparecimento de sintomas.

A urticária colinérgica não pode ser subestimada e merece atenção especial. Se não administrados de forma correta, seus sintomas podem ser muito incômodos e impactar na qualidade de vida do paciente. Preste atenção nas reações provocadas pela sua pele e as compare com as suas práticas: se estiverem relacionadas a atividades que geram sudorese, provavelmente, você pode sofrer desse tipo de patologia.

E não se esqueça, o acompanhamento médico é fundamental: desde o início, esse profissional poderá lhe orientar sobre as melhores ações de controle do quadro.

Você já conhecia a alergia ao suor? Ficou com alguma dúvida sobre essa condição? Deixe sua mensagem nos comentários ou entre em contato conosco. Até a próxima.

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *